Sinduscon
Login
Senha
COMAT
Banner Seguro DFI Sistema Financeiro
Banner Produtos Seguros - Simule aqui
Brasil - Mercado
Planejamento é palavra-chave para comprar imóvel
Publicada no dia 22/10/2018 às 14h22
A compra de um imóvel requer planejamento. Por ser um bem durável e de valor elevado, é necessário se preparar financeiramente com antecedência e analisar a fundo todas as opções antes de optar pela aquisição.
 
O primeiro passo ao investir o dinheiro em uma propriedade é reconhecer o momento propício para a compra. O cenário atual, afirmam especialistas, é favorável.

“Hoje, temos oferta maior do que a demanda. Então, a tendência é de que os imóveis fiquem muito tempo parados. Nesses momentos, o consumidor tem mais condição de negociar preços e formas de pagamento”, afirma o professor de economia da Faculdade Getúlio Vargas (FGV) Arthur Igreja. O estudioso também aponta que é importante conferir as taxas de juros. Mais uma vez, o período que vivemos atualmente, segundo ele, é adequado, já que a Selic, taxa básica de juros da economia, chegou ao menor valor histórico, de 6,5%. “Há crédito abundante e faltam tomadores de crédito. Selic baixa é bom sinal para a pessoa poder comprar seu imóvel.”

Estabelecido o momento adequado, é hora de organizar o orçamento para a compra. Segundo Fábio Macedo, diretor comercial da Easynvest, muitos não conseguem se planejar pois não sabem quanto ganham e, principalmente, quanto gastam. “Uma vez que você identifica seus maiores gastos, fica fácil definir onde você pode eventualmente cortar custos.”

Ter um controle efetivo dos ganhos e despesas mensais é essencial, e planilhas e aplicativos podem ser aliados nesse objetivo. Os engenheiros Larissa Nery e Guilherme Ártico, de 25 e 26 anos, respectivamente, se planejaram e cortaram os gastos supérfluos para comprar um imóvel em Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo. O casal, que vai se casar em dezembro, passou um ano poupando mensalmente para financiar o apartamento. “Juntamos a maior quantia de dinheiro possível, para que pudéssemos pagar a entrada, os impostos e outros gastos que surgissem”, conta Larissa. O valor economizado foi de 49 mil reais. 

Não há receita de bolo ao juntar dinheiro, mas a regra “50, 35, 15” é padrão entre os economistas. “Do que a pessoa ganha, 50% é para as despesas usuais, 35% é para as despesas imprevistas e 15% ou para saldar dívidas passadas ou realizar poupança. Destes 15%, normalmente a gente recomenda 10% de poupança de curto prazo e 5% de poupança de longo prazo, que é onde entram os recursos para um imóvel, por exemplo”, explica o professor de economia da Universidade Presbiteriana Mackenzie Agostinho Pascalicchio. 

Definida a quantia mensal a ser poupada, o passo seguinte é analisar a melhor aplicação para guardar o montante. No caso de Larissa e Guilherme, o valor economizado ficou na poupança, mas, de acordo com os entrevistados, essa não é a opção mais indicada. “Existem aplicações tão seguras quanto, porém mais rentáveis. Deixar integralmente o dinheiro na poupança não é uma recomendação saudável”, diz Igreja.

Para aplicações de curto prazo, segundo Macedo, são indicados o Tesouro Prefixado, o Tesouro Selic, CDB com liquidez diária, fundos de investimento de baixo risco e fundos DI. Pensando no médio e longo prazos, a gama de produtos aumenta. Tesouro com títulos lastreados ao IPCA, fundos multimercados, fundos de renda variável e, dependendo do perfil de investidor, até o mercado de ações pode ser opções. Além disso, investimentos não convencionais também são alternativas. A analista de conteúdo Isabel Delalamo, de 26 anos, chegou a pesquisar a rentabilidade do Tesouro Direto e do CDB, mas investiu em bitcoins. Desde 2015, ela guardou parte do salário com o objetivo de comprar um apartamento com o noivo, Victor Hugo de Moura. O casal fez a aquisição em março e deve se mudar para o imóvel no Butantã em 2019.

O tipo de investimento adequado para cada um é determinado pelo tempo que a pessoa está disposta a esperar para ter as chaves do imóvel em mãos. Quanto mais longo o prazo, melhores as taxas. “Se a pessoa vai usar o dinheiro a curto prazo, o conselho é fazer investimentos menos arriscados e com liquidez maior. Se a pessoa vai usar a médio e longo prazo, ela pode ter produtos que tragam um pouquinho mais de risco. Não vai ter uma liquidez imediata, mas a vantagem é a rentabilidade mais alta”, diz Macedo.

Um questionamento recorrente na hora da compra é saber se sai mais barato adquirir o imóvel à vista ou por financiamento. Os especialistas convergem na resposta: pagam menos aqueles que pagam em uma só parcela. “A entrada ideal é a de 100%”, brinca o professor de finanças da PUC-SP e da FGV, Fábio Gallo. Pascalicchio concorda: “Quem tem condições de fazer à vista, faz o melhor negócio”. Segundo ele, o preço total do bem pode diminuir em até 30% nessa modalidade de aquisição. Como a alternativa não condiz com a realidade de muitos brasileiros, a sugestão é dar o maior valor possível no ato da compra. “O quanto a pessoa vai conseguir antecipar é muito importante. O tamanho da entrada regula se o negócio vai ser bom ou ruim”, afirma Igreja.

A editora assistente Lígia Evangelista, de 25 anos, teve o mesmo pensamento ao adquirir o seu apartamento, em Osasco. Lígia deu R$ 112 mil de entrada, o equivalente a 43% do valor do imóvel. “Guardei esse dinheiro por quatro anos e meio. É mais vantajoso, porque os juros acabam sendo menores.” O financiamento imobiliário possui uma das taxas mais baixas do mercado. Para consegui-lo, porém, é necessário atender os requisitos determinados por cada banco e financiar, via de regra, pelo menos de 20% a 30% do valor patrimonial do bem.
Fonte: Estado 21.10.18
Comentários
Seja o primeiro a comentar essa notícia.
Escreva seu comentário
Nome:
Email:
Comentário:
Código de verificação
Outras notícias
https://www.sinduscon-ba.com.br
@Sindusconba Adicionei um vídeo do @YouTube como favorito http://t.co/5pZ0r75j CONSTRUÇÃO CIVIL: quantidade de empregos do
Enviado em: 28/02/2012 | 20:16:41
@Sindusconba SINDUSCON–BA promove Curso de Planejamento de Obras em março - http://t.co/Z8up7NCQ.
Enviado em: 28/02/2012 | 19:11:39
https://www.sinduscon-ba.com.br
https://www.sinduscon-ba.com.br
Campanha Associativismo
Governo contratará 40 mil moradias da faixa 1,5 do Minha Casa Minha Vida
Nova Sede do SINDUSCON-BA
Plataformas Aéreas - 100% Seguro
SINDUSCON-BA - Sindicato da Indústria da Construção do Estado da Bahia
ENDEREÇO - Rua Minas Gerais, 436, Pituba • CEP: 41830-020 - Salvador-BA.
TELEFONE:(71) 3616-6000 • Fax: (71) 3616-6001 • E-mail: secretaria@sinduscon-ba.com.br
2010 - 2018. Sinduscon. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital