Sinduscon
Login
Senha
COMAT
Banner Seguro DFI Sistema Financeiro
Banner Produtos Seguros - Simule aqui
Comissão do Congresso aprova Orçamento de 2019
Publicada no dia 14/12/2018 às 16h25
A CMO (Comissão Mista de Orçamento) do Congresso aprovou nesta quinta-feira (13) o relatório final do Orçamento de 2019, que define as receitas e os gastos do governo federal no primeiro ano do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). Com a aprovação, o texto fica pronto para votação em sessão conjunta no plenário do Congresso. A reunião está prevista para a próxima semana. Informalmente, a aprovação do orçamento do ano seguinte dá início ao recesso dos parlamentares, agora em fim de mandato. Oficialmente, porém, o período de folga começa apenas no dia 23 de dezembro. O Orçamento aprovado na comissão prevê que a União fechará 2019 com déficit primário de R$ 139 bilhões, rombo equivalente à meta fiscal estabelecida para o ano. O valor total das despesas será de R$ 3,381 trilhões. De acordo com o presidente da comissão, Mário Negromonte Jr (PP-BA), a elaboração do projeto foi debatida com a equipe de Bolsonaro. Segundo ele ajustes no Orçamento poderão ser feitos no ano que vem por meio de projetos enviados ao Congresso. 

Na proposta apresentada em agosto, o governo havia deixado em aberto um rombo de R$ 258,2 bilhões para ser resolvido pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). Despesas nesse montante ficaram dependentes de aprovação futura do Congresso. Se isso não fosse feito, seria infringida a chamada regra de ouro, que proíbe que o governo se endivide para pagar despesas correntes, como salários e custos de manutenção. No projeto aprovado pela comissão, essa despesa condicionada a autorização do Congresso foi reduzida para R$ 248,9 bilhões, R$ 9,3 bilhões a menos do que a proposta original. 

Segundo o relator, a redução foi possível porque emendas apresentadas ao projeto ampliaram os investimentos previstos para 2019, o que abriu espaço para retirar despesas antes condicionadas. A mudança beneficiou, principalmente, o Bolsa Família. Na proposta original, metade do orçamento do programa ficou condicionado a posterior aval do Congresso. Agora, essa proporção foi reduzida para 19%. Ponto criticado pela equipe econômica de Bolsonaro, a concessão de benefícios fiscais vai somar R$ 376 bilhões em 2019. De acordo com a Consultoria de Orçamento da Câmara, esse valor equivale a 21% da arrecadação. Na versão final aprovada, foi incluída a despesa de R$ 600 milhões para o pagamento de reajuste salarial a agentes comunitários de saúde. O aumento foi vetado pelo presidente Michel Temer, mas o veto acabou derrubado pelo Congresso. De acordo com o relator do texto, senador Waldemir Moka (MDB-MS), o adiamento do reajuste de servidores federais não está previsto no texto. Foram mantidos R$ 4,7 bilhões para esse propósito. Moka explicou que manteve o valor porque o adiamento depende de aprovação de uma medida provisória no Congresso e também é questionado na Justiça.
Fonte: Folha 14_12_18
Comentários
Seja o primeiro a comentar essa notícia.
Escreva seu comentário
Nome:
Email:
Comentário:
Código de verificação
Outras notícias
https://www.sinduscon-ba.com.br
@Sindusconba Adicionei um vídeo do @YouTube como favorito http://t.co/5pZ0r75j CONSTRUÇÃO CIVIL: quantidade de empregos do
Enviado em: 28/02/2012 | 20:16:41
@Sindusconba SINDUSCON–BA promove Curso de Planejamento de Obras em março - http://t.co/Z8up7NCQ.
Enviado em: 28/02/2012 | 19:11:39
https://www.sinduscon-ba.com.br
https://www.sinduscon-ba.com.br
Campanha Associativismo
Governo contratará 40 mil moradias da faixa 1,5 do Minha Casa Minha Vida
Nova Sede do SINDUSCON-BA
SINDUSCON-BA: saiba mais sobre construção civil
SINDUSCON-BA - Sindicato da Indústria da Construção do Estado da Bahia
ENDEREÇO - Rua Minas Gerais, 436, Pituba • CEP: 41830-020 - Salvador-BA.
TELEFONE:(71) 3616-6000 • Fax: (71) 3616-6001 • E-mail: secretaria@sinduscon-ba.com.br
2010 - 2019. Sinduscon. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital