Sinduscon
Login
Senha
COMAT
Corona vírus -
Norma de Desempenho de Edificações Habitacionais
Bolsa despenca 7,64% após OMS decretar pandemia de coronavírus
Publicada no dia 12/03/2020 às 09h48

O agravamento da epidemia de coronavírus e o acirramento dos conflitos no Oriente Médio provocaram um novo dia de turbulência nos mercados globais. Mais uma vez, o Brasil foi atingido pela instabilidade, com a Bolsa de Valores despencando e interrompendo as negociações. O dólar subiu e voltou a fechar acima de R$ 4,70.

O índice Ibovespa, da B3 (a bolsa de valores brasileira), fechou o dia com recuo de 7,64%, aos 85.171 pontos. Ontem (10), o indicador tinha se recuperado, mas o alívio não durou. O dólar comercial encerrou a sessão vendido a R$ 4,721, com alta de R$ 0,075 (1,61%). A cotação praticamente igualou o recorde de R$ 4,726 registrado na segunda-feira (9).

O Banco Central (BC) leiloou US$ 1 bilhão em contratos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro. No início da note, o BC anunciou que venderá US$ 1,5 bilhão das reservas amanhã pela manhã.

Circuit breaker

O Ibovespa vinha operando em baixa, depois de subir 7,1% ontem. No entanto, a situação piorou no meio da tarde, após a Organização Mundial de Saúde (OMS) decretar pandemia de coronavírus. Das 15h14 às 15h50, as negociações foram interrompidas porque o índice acumulava queda de mais de 10%.

Esse é o chamado circuit breaker, mecanismo acionado quando o índice cai mais que determinado nível. Na manhã de segunda-feira, a bolsa também chegou a acionar o circuit breaker.

A pandemia de coronavírus aumenta os temores de uma recessão global. Isso porque a quarentena imposta em diversos países resulta no fechamento de fábricas, do comércio e na queda da produção e do consumo.

Petróleo

Pouco depois de a B3 retomar os negócios, o bombardeio de uma base norte-americana no Iraque deteriorou as expectativas. O ataque com pelo menos 15 foguetes, que matou dois americanos e um britânico, aumenta as tensões em torno da produção mundial de petróleo.

A crise provocada pelo coronavírus foi agravada pela disputa de preços entre Arábia Saudita e Rússia em torno do petróleo. Membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), a Arábia Saudita aumentou a produção de petróleo depois que o governo de Vladimir Putin decidiu não aderir a um acordo para reduzir a extração em todo o mundo.

O aumento de produção num cenário de queda mundial de demanda por causa do coronavírus fez a cotação do barril de petróleo voltar a cair hoje. Por volta das 18h, o barril do tipo Brent era vendido a US$ 35,70, com queda de 4,08%, depois de ter subido cerca 10% ontem.

Para o Brasil, a queda no barril de petróleo afeta as ações da Petrobras, a maior empresa brasileira capitalizada na bolsa. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) da companhia fecharam o dia com queda de 10,84%. Os papéis preferenciais (que dão preferência na distribuição de dividendos) caíram 9,74%. Segundo a própria Petrobras, a extração do petróleo na camada pré-sal só é viável quando a cotação do barril está acima de US$ 45.

Consequências

A queda nas cotações do barril de petróleo traz outras consequências para a economia brasileira. Caso os preços baixos se mantenham, a companhia repassará a queda do preço internacional para a gasolina e o diesel. Se, por um lado, a queda beneficia os consumidores; por outro, prejudica o setor de etanol, que perde competitividade.

Os preços mais baixos diminuem a arrecadação de royalties do petróleo e a arrecadação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), o principal tributo estadual, num momento em que diversos estados atravessam dificuldades financeiras. A desaceleração da economia mundial reduz a demanda por commodities (produtos agrícolas e minerais com cotação internacional), prejudicando as exportações brasileiras.

Hoje, o governo reduziu, de 2,4% para 2,1% a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020. Segundo a equipe econômica, o coronavírus pode reduzir o crescimento entre 0,1 ponto percentual, no cenário mais otimista, e 0,5 ponto, no cenário mais pessimista. (Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil)

Fonte: Bahia de Valor
Comentários
Seja o primeiro a comentar essa notícia.
Escreva seu comentário
Nome:
Email:
Comentário:
Código de verificação
Outras notícias
https://www.sinduscon-ba.com.br
@Sindusconba Adicionei um vídeo do @YouTube como favorito http://t.co/5pZ0r75j CONSTRUÇÃO CIVIL: quantidade de empregos do
Enviado em: 28/02/2012 | 20:16:41
@Sindusconba SINDUSCON–BA promove Curso de Planejamento de Obras em março - http://t.co/Z8up7NCQ.
Enviado em: 28/02/2012 | 19:11:39
https://www.sinduscon-ba.com.br
https://www.sinduscon-ba.com.br
Campanha Associativismo
Governo contratará 40 mil moradias da faixa 1,5 do Minha Casa Minha Vida
Nova Sede do SINDUSCON-BA
SINDUSCON-BA: saiba mais sobre construção civil
SINDUSCON-BA - Sindicato da Indústria da Construção do Estado da Bahia
ENDEREÇO - Rua Minas Gerais, 436, Pituba • CEP: 41830-020 - Salvador-BA.
TELEFONE:(71) 3616-6000 • Fax: (71) 3616-6001 • E-mail: secretaria@sinduscon-ba.com.br
2010 - 2020. Sinduscon. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital