Sinduscon
Login
Senha
COMAT
Corona vírus -
Norma de Desempenho de Edificações Habitacionais
Banco Mundial prevê alta de 3% do PIB do Brasil em 2021
Publicada no dia 07/01/2021 às 10h15
O Banco Mundial estima um crescimento de 3% para o Brasil em 2021, segundo projeções divulgadas nesta terça-feira (5) no relatório "Perspectivas Econômicas Mundiais". A quantia está abaixo do crescimento da economia global, que deve ser de alta de 4%.

Os cálculos também dão conta que o Brasil deve ficar para trás também em relação a outros países da região. A América Latina e Caribe devem acumular crescimento de 3,7% em 2021. Ao menos neste comparativo, a queda brasileira em 2020 será menor que os vizinhos: -4,5% contra -6,9%, sempre segundo o Banco Mundial.

O Brasil vem abaixo da média do PIB agregado dos emergentes, que deve ser de 5%, puxada pela China. Os asiáticos devem crescer 7,9% em 2021. Mas mesmo excluindo-se os chineses, a alta seria de 3,4%.

As contas também são mais pessimistas que a previsão de crescimento do mercado financeiro brasileiro. O boletim Focus desta segunda-feira (4) traz expectativa média de alta de 3,40% do PIB para 2021.

A entidade condiciona os números à "implementação inicial generalizada" da vacina contra a Covid-19 ao longo do ano. Além de controlar a pandemia, o Banco Mundial reforça que é necessário esforço para implementar reformas que incentivem investimentos.

“Embora a economia mundial pareça ter entrado em um período de recuperação moderada, os formuladores de políticas públicas enfrentam desafios tremendos — em termos de saúde pública, gestão da dívida, políticas orçamentárias, banco central e reformas estruturais — ao tentar garantir que esta recuperação global ainda frágil ganhe força e estabeleça a base para o crescimento robusto”, afirma em nota o Presidente do Grupo Banco Mundial, David Malpass.

Revisão para cima

Nesta edição do relatório, a entidade afirma que a queda em 2020 será de 4,3%. Segundo o Banco Mundial, as contrações foram menos profundas nas economias avançadas e a retomada foi mais robusta que o previsto na China.

No primeiro impacto da pandemia, a entidade havia estimado uma queda de 5,2% do PIB global. A previsão para o Brasil era de afundamento de 8% da economia. Em outubro, os números foram revistos conforme ficou claro que fechariam 2020 mais brandos.

Uma nova surpresa, de controle mais eficaz da pandemia, poderia elevar a estimativa de crescimento do PIB global em 2021 para 5%.

Revisão para baixo

O Banco Mundial, contudo, expressa preocupação com a expansão fiscal realizada por países emergentes. Apesar de amenizar os efeitos durante a crise, a entidade lembra que a questão precisa agora ser endereçada.

"Nas economias em que as compras de ativos continuaram a expandir, sendo vistas como financiamento de déficits fiscais, esses programas podem erodir a independência operacional do banco central, sofrer o risco de deficiências da moeda que desancoram expectativas de inflação e aumentar as preocupações sobre a sustentabilidade da dívida", diz nota.

É o caso de Brasil e seus vizinhos de América Latina e Caribe. Com queda agregada da região de 6,9% em 2020, a região assistiu à queda de renda, perda de empregos e inflação de alimentos. Diz o Banco Mundial que a normalização depende da implementação sem intercorrências da vacinação contra a Covid-19, caso contrário o crescimento médio de 3,7% poderia encolher para 1,9%.

"No Brasil, a confiança em alta do consumidor e condições de crédito benignas devem apoiar a recuperação do investimento e consumo privado, impelindo o crescimento para 3%. O setor de serviços se recuperará mais lentamente do que o setor industrial em razão da aversão ao risco persistente entre os consumidores", diz o texto.

E sobre a região, a nota prossegue: "Embora o estímulo fiscal seja necessário para amortecer o golpe da pandemia, o espaço fiscal já foi, em grande medida, esgotado e a dívida pública teve aumento acentuado. A credibilidade creditícia caiu em toda a região. A combinação de desigualdade enraizada de oportunidades, uma pior percepção da eficácia do governo e a elevação da pobreza poderiam reacender a instabilidade social."
Fonte: G1 Economia
Comentários
Seja o primeiro a comentar essa notícia.
Escreva seu comentário
Nome:
Email:
Comentário:
Código de verificação
Outras notícias
https://www.sinduscon-ba.com.br
https://www.sinduscon-ba.com.br
https://www.sinduscon-ba.com.br
Campanha Associativismo
Governo contratará 40 mil moradias da faixa 1,5 do Minha Casa Minha Vida
Nova Sede do SINDUSCON-BA
SINDUSCON-BA: saiba mais sobre construção civil
SINDUSCON-BA - Sindicato da Indústria da Construção do Estado da Bahia
ENDEREÇO - Rua Minas Gerais, 436, Pituba • CEP: 41830-020 - Salvador-BA.
TELEFONE: (71) 3616-6000 / 9.8191-1162 • Fax: (71) 3616-6001 • E-mail: nae@sinduscon-ba.com.br
2010 - 2021. Sinduscon. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital