Sinduscon
Login
Senha
COMAT
Corona vírus -
Norma de Desempenho de Edificações Habitacionais
Artigo do especialista: Um retrovisor sem imagens
Publicada no dia 14/01/2020 às 14h47

Carlos Eduardo Lima Jorge é presidente da Comissão de Infraestrutura da CBIC

As construtoras de obras públicas, em especial as de pequeno e médio portes, vêm atravessando nos últimos anos a fase mais difícil que esse setor já enfrentou. A conjugação de diversos fatores, dentre eles a crise fiscal que praticamente desidratou os investimentos públicos, o ativismo exacerbado dos órgãos de fiscalização e controle, o estímulo da administração pública à oferta de preços sabidamente inexequíveis pelo seu baixo valor – esses fatores têm levado diversas construtoras à situações insustentáveis, quando não à recuperação judicial ou fechamento.

No campo institucional, as entidades de classe – a exemplo da CBIC – vem lutando em todas as frentes para reverter, ou ao menos melhorar – esse cenário. Exemplos dessas ações são os diálogos constantes com o Tribunal de Contas da União e a participação ativa nas discussões da nova Lei de Licitações, em curso no Congresso Nacional.

Como a volta dos investimentos públicos, em escala que dinamize o mercado, não pode ser vislumbrada a curto ou médio prazos (em função da gravidade da crise fiscal e das medidas estruturais que permitirão sua superação), o que essas empresas podem ou devem fazer para manterem-se ativas?

A resposta vem da observação daquilo que, gradativamente, já vem acontecendo entre as tradicionais executoras de obras públicas: preparar-se para disputar o que é chamado de “novas oportunidades”. Oportunidades que vêm crescendo no campo das concessões, das Parcerias Público Privadas (PPPs), das locações de ativos. Não é tarefa fácil para uma empresa que nasceu e se desenvolveu através de contratos de empreitada. Mesmo porque, nessas novas oportunidades, o centro do interesse não deve ser a execução da obra e sim a viabilização do empreendimento como um todo.

Claro está que as obras públicas vão continuar a acontecer. Aqui ou ali existem municípios ou estados com melhores condições de investimentos, com espaço para tomarem financiamento. Porém são poucos.

Por outro lado, está claro o que essas empresas não devem fazer nessa crise: limitar-se a reclamar da situação difícil; acreditar que em breve os investimentos públicos retornarão; buscar “entendimentos de mercado”, que sempre caracterizaram atos ilícitos e danosos para o setor; afastarem-se das entidades de classe que defendem institucionalmente seus interesses.

Olhar hoje para o futuro, baseando-se apenas nas experiências do passado, significa na prática olhar para um retrovisor sem imagens que nos levem a frente. Ou como disse o compositor cearense Belchior, “o passado é uma roupa que não nos serve mais”.

Fonte: Cbic
Comentários
Seja o primeiro a comentar essa notícia.
Escreva seu comentário
Nome:
Email:
Comentário:
Código de verificação
Outras notícias
https://www.sinduscon-ba.com.br
@Sindusconba Adicionei um vídeo do @YouTube como favorito http://t.co/5pZ0r75j CONSTRUÇÃO CIVIL: quantidade de empregos do
Enviado em: 28/02/2012 | 20:16:41
@Sindusconba SINDUSCON–BA promove Curso de Planejamento de Obras em março - http://t.co/Z8up7NCQ.
Enviado em: 28/02/2012 | 19:11:39
https://www.sinduscon-ba.com.br
https://www.sinduscon-ba.com.br
Campanha Associativismo
Governo contratará 40 mil moradias da faixa 1,5 do Minha Casa Minha Vida
Nova Sede do SINDUSCON-BA
SINDUSCON-BA: saiba mais sobre construção civil
SINDUSCON-BA - Sindicato da Indústria da Construção do Estado da Bahia
ENDEREÇO - Rua Minas Gerais, 436, Pituba • CEP: 41830-020 - Salvador-BA.
TELEFONE:(71) 3616-6000 • Fax: (71) 3616-6001 • E-mail: secretaria@sinduscon-ba.com.br
2010 - 2020. Sinduscon. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital